Estamos com a temperatura e a humidade ideias para aplicação de cobre nas laranjeiras e nos citrinos em geral. Este elemento químico tem algumas funções importantes para as plantas nesta época do ano. A sua aplicação tem efeito retardador no desenvolvimento das plantas o que é benéfico para manter as reservas nutritivas, efeito fungicida e protector do frio.

Existem duas formulações de cobre muito usados nos citrinos, são elas, o hirdoxido de cobre e o oxicloreto de cobre, todas com os efeitos referidos e mais um; o de bactericida, neste caso, atribuído à formula de hidróxido de cobre.

Para aplicar o cobre deve usar-se o pulverizador com os bicos regulados em jacto moderado ( ligeiro efeito espalhador) para que a calda atinja os troncos e também as

Folhas tal como mostra a figura em baixo.

 image 317

 

O técnico

Rui Sousa

 

 

As Podas, vulgarmente designadas por limpezas, são praticas culturais muito importantes para manter os citrinos produtivos.

Existem vários tipos de podas; formação, rejuvenescimento e frutificação, contudo embora em citrinos não se aplique o termo frutificação como se faz expecificamente para algumas arvores, a limpeza dos ramos secos, remoção de alguns mal inseridos e com tendencia apical, trazem mais luz ao interior da copa e como consequência melhor frutificação e vigor vegetativo.

 

Por norma, todos os anos após a colheita ou até antes do abrolhamento dos gomos, as podas devem ser feitas tendo em conta algumas dicas referidas, sempre com o objectivo de manter boa iluminação em toda a copa. Uma copa bem iluminada é sempre mais produtiva do que outra cuja ramagem impede a entrada de luz no seu interior.

 

Em anos cuja produção é mais elevada pode até servir para melhorar o calibre e aumentar o vigor vegetativo responsável pela produção do ano seguinte. Uma árvore em cujo o equilbrio esteja debilitado, não tem tendencia a apresentar rebentação no final do verão, a mais importante para a frutificação.

 

Há por vezes a tendencia de querer manter a copa com uma geometria homogénea. Tal não terá grande importancia se não houver arejamento e entrada de luz. A ramagem mais importante para a furificação de qualidade está situada entre 0.5 e 1,5 m de altura, melhor falando, a frutificação a meio da copa é a que apresenta mais qualidade, sendo a frutificação apical a mais rasca, não só a nivel de casca, como de sabor.

 

Alguns técnicos advogam o livre crescimento das arvores até ao terceiro ano e só depois disso fazem as devidas correções. No entanto, por vezes antes disso alguns troncos mal formados e mal guiados (ramos cruzados) podem e devem ser reitrados. As árvores do grupo NAVEL, que formam copas mais baixas a primeira pernada deverá situar-se a uns 70-80 cm acima do solo e 60 cm para as laranjeiras Valencia Late e outras especies de porte erecto com o exemplo das clementinas.

 

Uma limpeza feita anulamente, é vantajosa pelo facto de nunca extrair muita ramagem (local das reservas nutritivas) resumindo-se sempre à remoção de ramos que pela sua posição concorrem na equlibrada distribuição da seiva e ensombrem outros ramos frutifeos. As preocupações estéticas não são necessárias, apenas há que deixar tres ramos vigorosos, se possivel triangulados e inseridos em planos diferentes e sobre eles não se fará qualquer desponta ou atarraque. O resultado deverá ser uma árvore bem arejada e iluminada no interior. As abas são muito vocacionadas à produção, mas quando situadas num nivel muito baixo devem ser suprimidas para evitar que ao frutificarem os frutos toquem no solo.

 

A luz a entrar na copa deverá ser difusa, ou seja evitando-se a entrada de sol directo que possa queimar os troncos debilitanto a árvore. Neste trabalho de limpeza deverão ser suprimidos ramos cruzados, mal situados, ramos secos e lançamentos débeis sem vitalidade. Por vezes alguns ramos com tendencia apical podem ser aproveitados fazendo-se uma desponta tornando-os frutiferos, é normal acontecer em variedades com lane Late e outras do grupo Navel.

 

Apesar da importancia da limpeza alguns erros devem ser evitados:

 

- excesso de luz sobre os troncos

- podas severas

- preocupações estéticas 

 

O técnico

Rui Sousa

 

 

  

 

   

 

 

Tal como vem sendo hábito, monitorizamos as moscas do mediterrâneo nas várias parcelas que compõem a nossa exploração de citrinos.

A mistura de um insecticida homologado para o cambate às M. do Mediterrâneo, com o enxofre, tem suscitado interesse a toda a comunidade citricola do Algarve. Nós fizemos alguns ensaios e nem por isso ficámos convencidos.

Aconselham-se os agricultores que têm problemas com esta praga, a verificação das suas parcelas, especialmente em locais mais ensolarados.